Direitos Humanos

A política de Direitos Humanos da Monsanto, adotada em abril de 2006, é uma manifestação importante dos nossos valores. Trata-se de um mecanismo pelo qual nos responsabilizamos e demonstramos o comprometimento que assumimos com os direitos humanos enquanto conduzimos os nossos negócios globalmente. A Monsanto trabalhará para identificar e fazer negócios com parceiros que aspirarem, na conduta de seus negócios, a padrões éticos que sejam consistentes com esta política.

A nossa política de Direitos Humanos é orientada pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, que fornece a mais ampla definição de direitos humanos, e a Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. A política da Monsanto aborda circunstâncias únicas para as propriedades agrícolas e agroindústrias, incluindo a produção sazonal.

A Política de Direitos Humanos da Monsanto identifica nove elementos nos quais a Monsanto focará os seus esforços de direitos humanos. Estes nove elementos, conforme incluídos no Guia de Direitos Humanos do Funcionário, são:

  • Trabalho infantil
  • Trabalho forçado
  • Compensação
  • Carga horária
  • Assédio e violência
  • Discriminação
  • Segurança
  • Liberdade de associação
  • Conformidade legal

Em 2009, a Monsanto se uniu ao Pacto Global das Nações Unidas, a maior iniciativa de sustentabilidade e cidadania corporativa do mundo. Esta iniciativa de política estratégica se aplica a empresas que estão comprometidas com o alinhamento das operações e estratégias com dez princípios aceitos universalmente nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção. O Pacto Global é uma plataforma política e uma estrutura prática para as empresas que estão comprometidas com práticas empresariais responsáveis e de sustentabilidade.