Monsanto anuncia que tecnologia para soja INTACTA RR2 PRO™ confere supressão à lagarta Helicoverpa

03/06/2013

comparativo intacta rr2 pro

Testes realizados por pesquisadores da Monsanto em todo o Brasil apontam a eficiência da nova tecnologia na supressão de praga que causa danos diretos na produtividade da soja

São Paulo, 3 de junho de 2013 - Após recentes ensaios realizados em laboratórios, casas de vegetação e campos demonstrativos na safra 2012/13 em várias regiões do Brasil, a Monsanto informa que a tecnologia INTACTA RR2 PRO™, desenvolvida ao longo dos últimos 11 anos especialmente para o mercado brasileiro, também confere supressão às lagartas do gênero Helicoverpa (Helicoverpa zea e Helicoverpa armigera). De acordo com pesquisadores da Monsanto, nos mil campos dos agricultores que experimentaram a tecnologia a convite da empresa na safra 2012/13 em 350 municípios de 14 estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Maranhão, Bahia, Rondônia, Piauí e o Distrito Federal), não foram verificados danos causados pelas lagartas do gênero Helicoverpa.

A tecnologia INTACTA RR2 PRO™ já oferecia controle contra as quatro principais lagartas que atacam a cultura da soja – lagarta da soja (Anticarsia gemmatalis), lagarta falsa medideira (Chrysodeixis includens e Rachiplusia nu), broca das axilas, também conhecida como broca dos ponteiros (Crocidosema aporema) e lagarta das maçãs (Heliothis virescens) – e supressão à lagarta do tipo elasmo (Elasmopalpus lignosellus). A lagarta Helicoverpa foi uma das pragas mais graves da última safra brasileira, trazendo prejuízos a agricultores em todo o país, principalmente nos estados do Mato Grosso e Bahia. "Além de causar desfolha nas plantas de soja, a lagarta Helicoverpa causa danos diretos na produtividade ao se alimentar de flores e vagens. Os resultados científicos de supressão à Helicoverpa apresentados pela tecnologia INTACTA RR2 PRO™ para a cultura da soja trazem perspectivas bastante otimistas para os agricultores brasileiros, auxiliando no combate dessa praga e contribuindo efetivamente para o manejo integrado de pragas na cultura da soja", afirma Geraldo Berger, diretor de Regulamentação da Monsanto.

Segundo dados da consultoria Kleffmann, o número médio de aplicações foliares com inseticidas para o controle de lagartas na cultura da soja no Brasil aumentou de 3,6 aplicações por hectare na safra 2010/11 para 4,6 aplicações por hectare na safra 2012/13, levando a um aumento no gasto por hectare de inseticida de 107% em dois anos. "Um dos principais desafios da agricultura sustentável é racionalizar a utilização de insumos, consumo de água e de combustível para operação de máquinas, com a diminuição da emissão de CO2. Os resultados de supressão àHelicoverpa reforçam que a INTACTA RR2 PRO™ é um exemplo de tecnologia que chega ao campo para contribuir com essas necessidades", diz Márcio Santos, diretor de Estratégia e Gerenciamento de Produto da Monsanto.

Recomendações de manejo

Apesar de a tecnologia INTACTA RR2 PRO™ conferir supressão contra as lagartas do gêneroHelicoverpa, o agricultor deverá continuar realizando o manejo integrado de pragas. "A preservação e a sustentabilidade da nova soja INTACTA RR2 PRO™ dependem do cumprimento das recomendações de Manejo de Resistência de Insetos (MRI) pelos produtores, que incluem a adoção das áreas de refúgio estruturado, garantindo a eficácia e a longevidade à tecnologia", afirma Renato Carvalho, gerente de Regulamentação da Monsanto.

Entre as ações de manejo recomendadas pela Monsanto, destacam-se:

• Áreas de refúgio para tecnologia INTACTA RR2 PRO™ devem ser de soja não Bt cultivadas na proporção de, pelo menos, 20% da área total plantada com soja;

• É recomendado que a variedade plantada na área de refúgio possua ciclo vegetativo similar ao da soja INTACTA RR2 PRO™;

• A distância máxima entre a área de refúgio e lavoura de soja com a tecnologia INTACTA RR2 PRO™ deve ser de 800 metros;

• As áreas de refúgio devem ser conduzidas normalmente, com pulverizações de inseticidas ou adoção de outros métodos de controle. Não é recomendada a aplicação de inseticida à base de Bt nas áreas de refúgio;

• A área de refúgio deve estar localizada na mesma propriedade rural em que a tecnologia INTACTA RR2 PRO™ está sendo plantada;

• Manejo Integrado de Pragas: o produtor deve continuar a realizar o monitoramento constante das pragas e considerar o nível de dano econômico para a tomada de decisão para intervenção durante todo o ciclo da cultura. O controle químico ou biológico (desde que não à base de Bt) deve ser realizado respeitando doses e recomendações descritas na bula do produto;

• Implantação da cultura “no limpo”: a dessecação antecipada para o controle de plantas daninhas e o manejo de pragas residentes na palhada devem ser realizados antes da implantação da cultura;

• O tratamento de sementes com fungicida+inseticida é uma prática recomendada para a tecnologia Intacta RR2 PRO™ para evitar a incidência de pragas não-alvo da tecnologia e de patógenos oportunistas.

A tecnologia INTACTA RR2 PRO™ já está aprovada no Brasil (desde 2010), nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Colômbia, México, Filipinas, Tailândia, Argentina, Paraguai, Uruguai, Japão, Coreia do Sul, Taiwan e União Europeia. A Monsanto e seus parceiros seguem trabalhando para oferecer a tecnologia aos agricultores brasileiros já nesta próxima safra.